Praia Grande não registra casos de raiva há 14 anos

Sem registrar casos de raiva, Praia Grande segue com monitoramento periódico nos bairros da Cidade e recentemente pediu ao Estado, o envio de mais de 30 mi doses de vacinas. Nos últimos dois anos, a imunização foi suspensa em todo o Estado devido a troca do laboratório que fornecia os medicamentos e que produziu reações adversas nos animais, até mesmo o óbito.

 

Praia Grande não registra casos de raiva animal há 14 anos. Monitoramentos são feitos periodicamente nos bairros da Cidade, afastando a possibilidade de ocorrências pela Divisão de Controle de Zoonoses da Secretaria de Saúde Pública (Sesap). Divisão de Controle de Zoonoses da Secretaria de Saúde Pública (Sesap). A doença ocorreu nos últimos anos apenas em locais isolados do Estado e a Cidade está fora dessa zona de risco.

O Controle de Zoonoses solicitou recentemente à Secretaria de Saúde do Estado o envio de cerca de 37 mil doses da vacina contra a raiva. Ainda não existe data prevista para a vacinação.

“Praia Grande tem feito sua parte para evitar esses casos. A comprovação do índice zero de registros nos últimos 14 anos se dá através da análise dos órgãos de todos os animais mortos que as causas não são comprovadas”, explicou a chefe de Divisão, Maria Fernanda Gonçalves.

Suspensão - O motivo que levou à suspensão da vacinação nos dois últimos anos foi a troca do laboratório que fornecia os medicamentos ao Estado, em 2010. Diferente da vacina que era adquirida anteriormente, um componente do produto provocou dor aguda nos animais, levando alguns à morte. As reações ainda causaram traumas em cães e gatos vacinados, o que levou o Conselho de Vigilância em Saúde (COVISA) a solicitar a imediata suspensão da campanha.

Contágio - A raiva é contraída por contágio direto - mordidas, arranhões, lambidas - entre os animais e de animais para humanos. Além de cães e gatos, mamíferos, como morcegos, também podem ser infectados. A raiva não tem cura.

A única maneira de evitar a morte é, logo depois de ser atacado - e antes do aparecimento dos sintomas (fotofobia, incapacidade para engolir, agitação, febre e rigidez muscular) -, ser vacinado. São necessárias até 13 doses. O animal deve ficar sob observação. A doença mata em até dez dias.

 

 



Fonte: DeCom/PMPG
Foto: Google
14:39  Sexta-feira
Praia Grande, dia 14 de setembro de 2012 


 

Ecovias

ecovias