Brasil é o maior mercado consumidor de crack do mundo

Segundo o Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad), realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisa de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas (Inpad) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), além de ser campeão entre os países consumidores do crack, o Brasil, também está no topo da lista de consumo da cocaína, como segundo colocado.


O Brasil é o maior mercado mundial do crack e o segundo maior de cocaína, conforme resultado de pesquisa do Instituto Nacional de Pesquisa de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas (Inpad) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Os dados foram apresentados nesta quarta-feira, dia 5. Foram entrevistadas 4,6 mil pessoas com mais de 14 anos em 149 municípios do País.

Segundo a pesquisa intitulada de Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad), o Brasil representa 20% do consumo mundial do crack. A cocaína fumada (crack e oxi) já foi usada pelo menos uma vez por 2,6 milhões de brasileiros, representando 1,4% dos adultos. Os adolescentes que já experimentaram esse tipo da droga foram 150 mil, o equivalente a 1%.

De acordo com o relatório, cerca de 4% da população adulta brasileira, 6 milhões de pessoas, já experimentaram cocaína alguma vez na vida. Entre os adolescentes, jovens de 14 a 18 anos, 44 mil admitiram já ter usado a droga, o equivalente a 3% desse público. Em 2011, 2,6 milhões de adultos e 244 mil adolescentes usaram cocaína.

O estudo revelou também que a cocaína “cheirada” é a mais comum. Aproximadamente 5,6 milhões de pessoas já a experimentaram na vida e, somente no último ano, 2,3 milhões fizeram uso. Entre os adolescentes, o uso é menor, 316 mil experimentaram durante a vida e 226 mil usaram no último ano.

A pesquisa também comparou o consumo de cocaína nas regiões brasileiras em 2011. No Sudeste está concentrado o maior número de usuários, 46% deles. No Nordeste estão 27%, no Norte 10%, Centro-Oeste 10% e Sul 7%.

 

 

Fonte: ABr
10:04  Quinta-feira
Foto: Google
Praia Grande, dia 5 de setembro de 2012 

 

Ecovias

ecovias