Obras na Base Aérea terminam em dezembro

A reforma foi concedida pelo Fundo Metropolitano do Condesb

A base de Radiopatrulhamento Aéreo da Polícia Militar, conhecida também apenas como Águia, passa por reformas. A unidade localizada no bairro Mirim, em Praia Grande, foi inaugurada há 12 anos e conseguiu a liberação do restauro devido aos recursos concedidos pelo do Fundo Metropolitano por parte do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Baixada Santista (Condesb).

De acordo com o major Adriani José de Souza, comandante do grupamento, o melhoramento da estrutura já é esperado há algum tempo. “Pelo prédio ser do Município, o Estado não pode interferir. Foi então com o esforço do prefeito junto ao Condesb, que os recursos foram aprovados por todas as cidades que compõem a Região Metropolitana da Baixada Santista, que são atendidos de forma direta ou indireta pelo helicóptero Águia”, relatou.

A obra começou nos primeiros meses de 2017, assim que a licitação foi efetuada. Atualmente terá a cobertura do hangar trocado, colocando um equipamento climatizado.

Segundo o comandante, a obra trará benefícios não só para o ambiente de trabalho dos tripulantes, como segurança às aeronaves que são abrigadas no espaço. “O local estava em situação precária devido à corrosão. O material que vai ser utilizado junto com uma pintura nova faz com que se mantenha por pelo menos 20 anos. Eles são mais resistentes do que o colocado desde a inauguração”, explicou. 

A base possui 8.785 metros quadrados, integrada por hangar e prédio administrativo e já sobrevoou desde 2005 mais de 4800 horas e nelas atenderam demandas de batalhões de policiamento da Região, a prevenção de afogamentos nas praias - solicitação feita pelo grupamento de bombeiros marítimos -, rodovias fiscalizadas pelo comando de policiamento rodoviário, polícia ambiental e corpo de bombeiros para salvamento terrestre como em casos de desaparecimento nas matas.

Para o comandante Souza, o serviço do helicóptero Águia é fundamental, porém, ainda existem fatores que podem ser evoluídos. “O que pode melhorar é o entrosamento entre todas as equipes. Alguns policiais, em determinados casos, ainda demoram para pedir o apoio do Águia. Esse entrosamento certamente será melhorado no decorrer dos anos e ajudará no tempo-resposta das operações e a população conseguirá visualizar esse apoio com mais rapidez”.

Existe a possibilidade de que, com o término da reforma, o local abrigue mais um helicóptero para fins ambientais. O equipamento já atua na Região, entretanto, é abrigado na sede da capital paulista. O término as obras tem previsão para dezembro deste ano.

Crédito: Larissa França

Larissa França

 

 

Ecovias

ecovias