Projeto auxilia mulheres a avançarem no surf da Região

Elas buscam espaço no esporte e provam a cada dia que são tão capazes de realizar o aéreo, tubo, floater e qualquer outra manobra do surf quanto os homens, que são maioria no esporte. Para incentivar mulheres a seguirem o caminho da modalidade, foi criado o projeto ‘Surf Florido’.LAT Surf Florido

O programa surgiu em junho de 2016 pela mongaguaense, Júlia Ahwener Torsani, que o iniciou por meio de um grupo nas redes sociais. “Tive vontade de fazer isso porque houve um campeonato em Mongaguá e tiraram a categoria feminina alegando que não teriam inscrições suficientes. Muitas pessoas me chamaram para que eu pudesse ajudar e fiz um grupo de 20 meninas que conseguiram competir”, explicou. “Os organizadores não acreditaram na quantidade de interessadas que apareceram no dia. A partir disso, o projeto cresceu e começamos a nos unir com pessoas até de outros estados”, completou.   

A responsável conta que obteve resultados positivos a curto prazo. “Sempre usei as redes sociais para divulgar campeonatos e criar o grupo foi um jeito de incentivar e ir à um público certo. Hoje em dia está dando resultado porque as participantes abraçaram a causa, principalmente quem conhece minha história e sabe que faço tudo por amor”.

Atualmente o grupo está com mais de 60 atletas de diferentes idades e no início do ano foi criada a página no Facebook com fotos, histórias e campeonatos.

FESTIVAL - Júlia Torsani começou no esporte aos 6 anos. Por conta da gravidez aos 18, acabou deixando a modalidade um pouco de lado e hoje prefere ajudar o surf feminino na parte técnica. “Não tenho mais as mesmas habilidades de antes. Agora surfo por hobby e não faço mais questão de participar de competições, só se realmente for para ajudar”.

Um de seus objetivos é realizar um festival em janeiro do ano que vem, em Mongaguá, voltado especialmente para o público. “Gostaria de realizar durante o outubro rosa, mas infelizmente não será possível. Estou em busca de mais patrocinadores. Graças a Deus, muitas pessoas estão abraçando a ideia e assim que conseguir já poderei fechar uma data para o evento”.

O festival terá etapa única, mas a meta é futuramente realizar um circuito de três etapas em três diferentes cidades da Região.

Podem participar do grupo de desportistas, mães de surfistas e pessoas que queiram agregar conhecimento as participantes. Os interessados podem entrar em contato por meio da página do Facebook (@crowdflorido) e pelo Instagram (@surfflorido).

 

Crédito: Divulgação

Larissa França

 

Ecovias

ecovias