Valor pago em impostos no ano chega a 1,8 trilhão

Antes de previsão, o Impostômetro, painel que mostra a soma dos impostos, taxas e contribuições pagos pelos brasileiros, instalado no Centro de São Paulo, alcançou a marca de R$ 1,8 trilhão na quinta-feira, dia 2

Antes de previsão, o Impostômetro, painel que mostra a soma dos impostos, taxas e contribuições pagos pelos brasileiros, instalado no Centro de São Paulo, alcançou a marca de R$ 1,8 trilhão na quinta-feira, dia 2, conforme informou a Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que criou o painel em 2005.

O registro, que aconteceu no Dia de Finados, ocorre 26 dias antes do que no ano passado, o que, em última instância, significa que os brasileiros estão pagando mais tributos em 2017. Para se ter uma ideia, no ano de 2014, essa marca foi alcançada apenas no mês de dezembro.

Presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Alencar Burti, ressalta em nota enviada a Imprensa, que a receita federal ultrapassou a inflação de 2017. “As receitas do governo já estão subindo acima da inflação, o que, combinado com o controle de gastos, começa a equacionar o ajuste fiscal. Ou seja, o ajuste fiscal de verdade está começando somente agora. O resultado é que o governo pode – e deve – abandonar qualquer plano de aumento tributário”, reforça Burti.

O montante deste ano equivale a todo o dinheiro pago pelos brasileiros aos cofres da União, dos Estados e dos municípios em tributos (impostos, taxas, contribuições, multas, juros e correção monetária) desde o primeiro dia do ano. Uma curiosidade é que o Sistema FIEP criou o site Sombra do Imposto. Nele, é possível consultar a porcentagem de imposto paga em cada objeto e/ou alimento. Os dados são atualizados periodicamente.

Para os adeptos de almoços em restaurantes, cuidado. Os tributos pagos em um simples prato de comida fora de casa chegam a 32%. Um celular novo, por exemplo, vem embutido no seu valor final 40% de impostos.  Já aquele tênis importado da moda e que todos os jovens usam ou querem um, 59% do que é pago nele são apenas impostos. O arroz, principal carboidrato da mesa dos brasileiros tem 17% de tributos em seu valor final. Por último, a caipirinha dos fins de semana seria 77% mais barata caso o brasileiro não pagasse tantos tributos.

A lista do site traz esses e outros produtos para avaliação. Quem quiser conhecer mais basta acessar o endereço eletrônico: www.fiepr.org.br/sombradoimposto/.

Carolina Huerte

 

 

Ecovias

ecovias