Reclamações passam de 7,5 mil após a Black Friday

Consumidores se queixam de propaganda enganosa, problemas na finalização da compra e divergência de valores

Primeiro dia útil após a Black Friday foi à data certa para correr atrás do prejuízo, se você se arrependeu das compras que fez na empolgação das ofertas bombardeadas nos e-mails e nas redes sociais. Desde as 18h da véspera na sexta-feira, dia 23, as queixas passaram de 7,5 mil pós-evento. Uma compra não acaba ao passar o cartão de crédito. Principalmente se ela for feita em lojas virtuais. Afinal, o consumidor deve aguardar a confirmação, a entrega e esperar que o produto não venha com defeito ou com o tamanho errado, por exemplo. Os consumidores se queixam principalmente de propaganda enganosa, problemas na finalização e divergência de valores. Os produtos mais reclamados são smartphones, TVs e tênis, respectivamente. No ranking do site Reclame Aqui as empresas com mais registros são as mesmas do balanço ao final da Black Friday – mudaram apenas de ordem. A Magazine Luiza – Loja Online (596 reclamações), que foi eleita a campeã, trocou de lugar com a Americanas.com (1034 registros), que virou líder. A KaBum (502), permanece na terceira colocação. De acordo com a assessora técnica do Procon-SP, Fátima Lemos, as lojas online recebem mais número de queixas por conta das irregularidades. “Houve um crescimento do comércio eletrônico e nas compras de internet ocorrem mais irregularidades na questão de maquiar o preço ou preços abusivos. Muito disso é porque quem compra pessoalmente normalmente está acompanhando a algum tempo e sabe os preços”. DICAS – O consumidor que comprou pela internet tem até sete dias para se arrepender, conforme a lei. Agora, na loja física, isso não está definido por Lei e quem se arrepender pode tentar um acordo com o lojista. Já no caso do consu-midor que teve problema com o produto, deve entrar em contato com o fornecedor ou fabricante em até 30 dias para solicitar o conserto do produto. Se notar logo, pode pedir a troca do item.

 

Ecovias

ecovias