Após um ano construído, UPA deve ser aberto até final do primeiro semestre

O prédio está pronto desde outubro de 2016, mas por falta de equipamentos, segue fechado, sem atendimento

Sem nenhuma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em Mongaguá, a Cidade deve contar com a abertura do serviço até o fim do primeiro semestre deste ano, de acordo com informações da Prefeitura divulgadas na segunda-feira, dia 8.  

Mesmo com o prédio da unidade entregue para uso em outubro de 2016, os atendimentos não são realizados devido a alguns equipamentos que estão em falta, como o raio-x e a instalação do autoclave, aparelho utilizado para esterilizar instrumentos por meio do calor, entre outros. Segundo a Administração, chegarão na segunda quinzena de janeiro.

Enquanto isso não acontece, a obra cujo Governo do Estado enviou uma verba de R$1,7 milhão, em maio de 2014, está sem uso. A Cidade tem dois prontos-socorros (PS): um no bairro Vera Cruz e o outro em Agenor de Campos, sendo que o último, assim que os trabalhos na UPA começarem, ele não funcionará mais e terá os equipamentos transferidos para a nova unidade. 

Para a moradora de Mongaguá, Dhriely Karine Silva Nixdorf, a liberação seria de grande importância. “Não costumo ir muito em hospital, mas quando preciso ir, normalmente vou no PS daqui e quando preciso marcar algum tipo de exame vou no AME (Ambulatório Médico de Especialidades da Secretária Estadual de Saúde) da Praia Grande. Realmente o fato de não inaugurarem logo o UPA faz com que os PSs vivam lotados, prejudicando o atendimento, porque não há funcionários e nem espaço suficientes”, comentou.

Segundo o secretário de Saúde Pública de Praia Grande, Cleber Suckow Nogueira, a abertura de unidades de pronto atendimento na região, desafogam as unidades do Município. “Acabamos absorvendo a demanda de pacientes de outros lugares e o funcionamento ajuda a diminuir o fluxo. Praia Grande prima pela qualidade de todos os atendimentos, independentemente da quantidade de pessoas, porém, com um número menor de pacientes é mais fácil dar uma atenção ainda maior”, explicou.

O estudante e residente de Mongaguá, Leonardo Alves, por trabalhar em Praia Grande acaba indo na UPA Samambaia. “Acho tudo isso um pouco de descaso, a última vez que fui no PS de lá há dois meses, a estrutura era ruim e antiga. Só uma resposta, um parecer da inauguração já não é mais suficiente. O que realmente se espera é que abra logo e atenda a demanda.”

Conforme a Prefeitura, a UPA conta com uma comissão especial, com representantes da Saúde, Compras, Obras e Chefia de Gabinete, para garantir o início do funcionamento da UPA o mais breve possível. Reuniões com cobrança de resultados são constantes.

 

 

Ecovias

ecovias