Casal de PG larga tudo para viajar o Brasil de Kombi


Casal adaptou a kombi ano 1996 para viajar por três anos explorando o Brasil

A partir de agosto, a Kombi do ano 1996 será o novo endereço do casal Alessandra e Rogério Fonseca, que decidiu trocar a tranquilidade, o silêncio e o sossego do bairro Mirim pela aventura de passar três anos viajando o País.

Para largar tudo o que construíram durante 20 anos na Cidade e conseguir viver na estrada, a operadora de caixa Alessandra Fonseca e o guarda civil Rogério Fonseca transformaram o carro numa verdadeira casa. Hoje o veículo possui chuveiro a gás, cama, televisão, micro-ondas, fogão, geladeira e outros itens de uma residência.

Segundo Alessandra, a ideia surgiu por gostarem muito de visitar lugares desconhecidos sob quatro rodas. “Sempre planejamos conhecer o Brasil quando meu marido se aposentasse. Mas quando achávamos que faltava pouco, veio a lei da Previdência. Então decidimos acelerar os planos, pois se esperarmos a aposentadoria não saberemos se vamos ter saúde para concluir este sonho”, conta Alessandra, que completa.

A pesquisa da viagem começou há cerca de dois anos, através de histórias de outras pessoas que viajaram da mesma forma. Porém, as ações foram colocadas em prática há seis meses, com a compra da Kombi. Alessandra não imaginava que era possível sobreviver tendo esse estilo de vida. “No começo pensamos em comprar um motor-home [casa sobre rodas], mas devido ao preço, decidimos montar a nossa. Mas, como nós dois ainda trabalhamos, fica difícil se dedicar. Por sorte, conseguimos patrocínio e um profissional montou o carro em troca da divulgação do seu trabalho. Foi bacana porque ele nos deu a chance de escolher aonde queríamos cada objeto.”

O veículo foi apelidado de Haryane, para relembrar o momento em que o casal se conheceu, há 15 anos. “Quando conheci o Fonseca, menti meu nome. Na verdade eu nem levei ele a sério, pois acreditava que seria uma paixão de verão. Foi tudo muito rápido, em uma semana me apresentou para a mãe, vi que era diferente e contei a verdade. Quando escolhemos o nome para a Kombi, a primeira coisa que ele lembrou foi de Haryane”, recorda com risos.

A maior dificuldade até agora é economizar e cortar despesas para investir na jornada. Para ganhar dinheiro, no trajeto venderão produtos comprados na Capital.

Para compartilhar a experiência com outras pessoas, criaram no Youtube o canal Viva a Vida, onde é possível acompanhar toda montagem de “Haryane” e assistir aos futuros passeios. Para eles a repercussão foi uma surpresa. “A maioria nos apoia. É bacana ver que da mesma forma que usamos a experiência de algumas pessoas como o exemplo, nós também vamos ser inspiração”, diz Fonseca.

Quanto ao itinerário, ainda estão pesquisando. Pretendem começar pelo Sul e fazer enquetes sobre os próximos destinos. “Fora a ansiedade, a expectativa é grande. Um dos primeiros lugares para passar é Foz do Iguaçu. Não queremos correr, pretendemos parar, explorar os lugares e mostrar no canal cidades que não são tão conhecidas e que podem ser um belo cartão postal”, conclui o guarda.

Larissa França

 

 

Ecovias

ecovias