Desmatamento cai em 20% na Amazônia

Depois de dois anos em alta os números caem

Após dois anos de aumento nas taxas de desmatamento na Amazônia em 2015 e 2016 e agora entre agosto de 2017 e janeiro de 2018, os levantamentos indicam queda de 20% como afirma o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho.

Entre agosto de 2016 e julho de 2017, a taxa estimada pelo Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), apontou 6.624 quilômetros quadrados (km2) de corte raso, que é a eliminação de toda vegetação existente sobre a área. O resultado mostrou uma diminuição de 16%  em relação a agosto/2015-julho/2016, quando foram apurados 7.893 km2 de desmatamento ilegal.

Para o ministro a queda no número do desmatamento é resultado da recomposição do orçamento dos órgãos de fiscalização, também explicou que o desmatamento só é contido com a fiscalização direcionada para áreas afetadas, afirma que o ideal será quando a floresta em pé for valorizada “Quando em pé ela valer mais que derrubada estará resolvido o problema do desmatamento. Enquanto isso não acontece, tem que ter fiscalização” argumentou.

Sarney Filho também declarou que o Ministério do Meio Ambiente não apoia o Projeto Lei 3729/2004, que cria a Lei Geral de Licenciamento Ambiental. Flexibilização do licenciamento ambiental para atividades agropecuárias e construções de empreendimentos em áreas preservadas, fazem parte da pauta de implementação do projeto que o Ministério do Meio Ambiente desaprova totalmente.

 

Ecovias

ecovias