O preço que era de R$ 644,58 passou para R$ 648,15 no dia 29 de março

Cesta básica registra elevação de 0,91%, de acordo com Procon-SP

A Capital registrou alta de 0,55% no valor da cesta básica, no período de 23 a 29 de março, revela pesquisa diária da Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, em convênio com o Dieese. O preço médio, que no dia 22 de março era de R$ 644,58 passou para R$ 648,15 no dia 29 de março.

Por grupo, foram constatadas as seguintes variações, alimentação com 0,80%; limpeza com 3,30% e higiene pessoal, 0,44%. A variação neste mês ficou em 0,91% (base 29/03/18).

No período de 30 de março a 5 de abril os produtos que mais subiram foram: sabão em pó (kg) 6,50%; amaciante (2 litros) 4,92%; batata (kg) 4,48%; leite UHT (litro) 4,42%; Leite em pó integral (400 g) 3,51%. As maiores quedas foram: cebola (kg) -4,06%; linguiça fresca (kg) -3,89%; açúcar refinado (kg) -2,07%; limpador multiuso (500 ml) -1,79%; macarrão com ovos (500 g) -1,62%.

Para o jornalista, Lucas Olivan, a pesquisa é boa, pois, mostra os lados positivos e negativos de um balanço econômico brasileiro. “Os dados se complementam. Em outras épocas, a inflação foi maior e o aumento dos preços foi mais significativo nos produtos. 2018 já é um cenário diferente do que foram 2016 e 2017. Os brasileiros voltaram a ter oportunidades e condições de compras maiores.”

No ponto de vista da analista de sistema, Joseli Silva de Araújo, obrigatoriamente deveria ter um valor congelado. “Por se tratar de um país onde uma boa parte vive com o mínimo, ou abaixo do mínimo. Todo e qualquer aumento deve ser visto como forma negativa e caracteriza a alta de inflação. Quando vou às compras, seja de qualquer item citado nesta cesta, sinto a oscilação a menos ou a mais de acordo com o que foi informado na pesquisa. Estas oscilações não deixam claro se é uma oferta do estabelecimento ou queda de um determinado produto. Acho que as feiras livres dão essa ideia de diferenças de valor, de uma semana para outra. Mas no geral, sendo em feiras ou supermercados, os preços no geral sempre são desanimadores e abusivos.”

Dos 39 produtos pesquisados, na variação semanal, 21 tiveram alta de preço, 14 apresentaram queda e quatro permaneceram estáveis. Os produtos que mais contribuíram para a alta no período, em pontos percentuais, foram nesta ordem: leite UHT (litro) 0,27%; sabão em pó (kg) 0,14%; carne de primeira (kg) 0,14%; queijo muçarela fatiado (kg) 0,13%; café em pó (500g) 0,11%.

 

Ecovias

ecovias