Ações pretendem facilitar a entrada de jovens no mercado

Novo Plano de Aprendizagem Profissional foi aprovado e ampliará as oportunidades principalmente aos que vivem em vulnerabilidade social

Com a intenção de ampliar a entrada de jovens no mercado de trabalho, o Fórum Nacional de Aprendizagem Profissional (FNAP) aprovou no início do mês nove ações que pretendem ajudar principalmente àqueles que vivem em situação de vulnerabilidade social.

As ações fazem parte do novo Plano Nacional de Aprendizagem Profissional (PNAP), que está em sua segunda edição. O primeiro esteve em vigência de 2013 a 2015 e este será válido de 2018 a 2022. Sua principal meta é aumentar em 10% ao ano o número de aprendizes admitidos em todo o País.

Dentre as mudanças previstas estão a criação de lei que torna obrigatória a contratação de aprendizes na administração direta; integrar os mais vulneráveis ao mundo do trabalho e sensibilizar os empresários por meio de seminários, reuniões e campanhas.

Há também a proposta de estabelecer diretrizes para programas de aprendizagem e desenvolver estratégias de benefícios fiscais as empresas.

Segundo a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), o Brasil fechou 2017 com 387.167 jovens aprendizes contratados. Do saldo entre admitidos e demitidos, São Paulo foi o que mais abriu vagas para pessoas de 14 a 24 anos (9.431), seguido por Santa Catarina (2.783), Bahia (2.344) e Paraná (1.976).

Em Praia Grande, para auxiliar os jovens que buscam o primeiro emprego e qualificação profissional, existe o Centro de Aprendizagem Metódica e Prática do Município (Camp-PG). A entidade sem fins lucrativos existe desde 1974 e já atendeu mais de 20 mil pessoas entre 15 e 18 anos.

Segundo o presidente da instituição, Carlos Benedito Favoretto, o Camp-PG já está ciente da mudança do Plano Nacional. “Procuramos nos adequar, e sempre que pudemos, nos adiantamos em algumas ações. Embora ele alcance as expectativas desejadas, para nós nunca será o suficiente. Pois, se analisarmos o número de jovens ociosos, a quantidade é preocupante. Hoje em dia não basta apenas ter as vagas, é preciso também aumentar o número de parceiros”, disse o responsável pelo local.

Além de visar o mercado e a vulnerabilidade social, o Camp-PG se destaca na forma em que auxilia os adolescentes. “Os jovens recebem aulas de inglês, reforço em matemática e português, aprendem sobre leis trabalhistas, enquanto não são chamados para uma vaga. Outra carga importante que eles recebem é a socialização, porque o ambiente em que eles vivem normalmente não permitem isso”, ressaltou o presidente.

Atualmente a entidade atende cerca de 300 pessoas, pretendendo dar chances também aos jovens maiores de idade. Favoretto espera que ainda esse ano as práticas aconteçam. “Conseguimos essa autorização, mas ainda é um balão de ensaio. Esses jovens farão cursos e trabalharão na área da saúde. Somente depois de ver se dá certo é que ampliaremos”, finalizou.

As inscrições para o Camp-PG são abertas durante todo o ano as segundas e quartas-feiras, das 8h às 12h. É preciso estar acompanhado dos pais ou responsáveis para se matricular. As vagas são desde fazer planilhas em escritórios até contar estoque no supermercado. Ele está localizado na rua Teodósio de Augustinis, nº 122, no Sítio do Campo. Mais informações pelos telefones 3473-9880 e 3473-9895.

A Cidade ainda possui o Time do Emprego. O programa do Governo do Estado dá orientações profissionais e reorientação de carreira voltada à pessoas desempregadas e jovens em busca de trabalho.

 

 

Ecovias

ecovias