Michel Temer desiste e indica Meirelles como seu substituto

Ex-ministro da Fazenda, Meirelles se filiou ao MDB para ser o candidato do partido na eleição presidencial

O presidente Michel Temer (MDB) confirmou que não vai tentar a reeleição em outubro e anunciou o ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (MDB), como pré-candidato à Presidência da República. A cerimônia do MDB, chamada de Encontro com o Futuro, aconteceu na terça-feira, dia 22, e contou com a presença de caciques do partido, além de Temer.

Meirelles se filiou ao MDB com o objetivo de ser o candidato do partido na eleição presidencial de outubro. No entanto, Temer também vinha se posicionando como uma das opções do MDB para encabeçar a chapa. Porém, o presidente decidiu dar apoio à pré-candidatura de Meirelles depois da pressão de um setor do partido por uma definição oficial de Temer. Há a avaliação de que o presidente não conseguiu sair da agenda negativa das investigações da Lava Jato, o que inviabilizaria a candidatura à reeleição.

No discurso no evento do partido, Temer disse que os integrantes do MDB “chamaram” Meirelles para ser “presidente do Brasil”. “Eu quero concluir dizendo que foi para isso, Meirelles, para essas palavras que foram ditas aqui, que nós chamamos você, e chamamos para ser presidente do Brasil”, discursou o presidente da República. “Ficarei orgulhosíssimo se um dia, no plano pessoal e institucional, o Meirelles for proclamado pelo voto popular presidente da República Federativa do Brasil.”

Se a candidatura de Meirelles for registrada, será a primeira vez, em mais de 20 anos, que o MDB terá candidato próprio à Presidência. A última vez foi nas eleições de 1994, com o ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia.

MENOS PODER – O ministro de Minas e Energia, Moreira Franco (MDB), e o marqueteiro de Temer, Elsinho Mouco, tentaram de toda forma impedir que o presidente anunciasse sua retirada da disputa e lançasse Meirelles como pré-candidato. Isso porque acreditavam que ao confirmar que desistiu da reeleição o poder de Temer seria enfraquecido. Mas os que defendiam a necessidade de lançar logo Meirelles como pré-candidato para consolidar seu nome e viabilizá-lo nas pesquisas acabaram convencendo o presidente.

OUTROS – Pelo menos 18 políticos já anunciaram a intenção de disputar a cadeira no Palácio do Planalto em outubro. Porém, ainda faltam mais de três meses para que os partidos confirmem seus candidatos e muita coisa pode acontecer. Entre os confirmados até agora estão Aldo Rebelo (Solidariedade), Alvaro Dias (Podemos), Ciro Gomes (PDT), Cristovam Buarque (PPS), José Maria Eymael (PSDC), Fernando Collor (PTC), Flávio Rocha (PRB), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Boulos (PSol), Jair Bolsonaro (PSL), João Amoêdo (Novo), João Vicente Goulart (PPL), Levy Fidelix (PRTB), Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Manuela D'Ávila (PC do B), Marina Silva (Rede), Rodrigo Maia (DEM) e Valéria Monteiro (PMN). Paulo Rabello de Castro (PSC) também se colocou à disposição do partido para uma pré-candidatura, mas ainda não teve seu nome confirmado.

 

Ecovias

ecovias