Sem ajuda, Semear e Crescer pode suspender atendimento

Local oferece atendimentos a autistas de todas as idades e locais da Baixada

 

O local que se tornou o principal meio de atendimento voltado a pessoas com Trans-tornos do Espectro Autista (TEA) está prestes a fechar as portas. A Associação de Pais e Amigos dos Autistas - Semear e Crescer de Praia Grande precisa de ajuda para manter os custos da entidade. Caso isso não aconteça corre o risco de encerrar os trabalhos que já são feitos há três anos.

A organização sem fins lucrativos atende pessoas de todas as idades e de várias cidades da Baixada Santista. Conforme a presidente Carolina Clementino, as dificuldades encontradas também são várias. “Como não temos ajuda de ninguém temos muitas coisas para custear. Todos os nossos profissionais são voluntários, mas precisamos dar o dinheiro da condução e embora não tenha o aluguel, pelo terreno pertencer ao Rotary, arcamos com a água, luz, telefone, internet, entre outros”, explica.

Algumas empresas e pais ajudam, mas as colaborações não são obrigatórias, nem periódicas, o que dificulta na organização pois não existe um valor fixo a ser recebido. Segundo Carolina as contas estão vencidas e a internet cortada. “Não teríamos condição de fazer os atendimentos sem luz ou sem água para oferecer. Já a internet nos ajuda a passar alguma atividade e até mesmo para acalmar aos crianças.”

Hoje a casa possui 23 profissionais, 81 atendimentos e 60 pessoas de vários locais na fila de espera. Entre os atendimentos há fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos, nutricionistas, professores de educação inclusiva entre outros.

Na maioria dos meses realizam eventos para arrecadar fundos, porém não são suficientes para suprir todas as necessidades. “Temos nosso bazar de roupas e sapatos, em agosto fizemos uma noite da pizza só que nem sempre conseguimos valores altos. Passaremos a vender panetones recheados para arrecadar alguma quantia, mas se continuar assim não haverá outra escolha”, diz a presidente.

Interessados podem ajudar sendo voluntários, doando materiais (brinquedos, roupas ou sapatos para o bazar) ou depositando qualquer valor na conta da entidade, que é do Banco Itaú, agência 2974, conta corrente 40355-8, para o CNPJ 24.742.906/0001-40.

Para Carolina, ainda há esperanças de seguir em frente. ”Estamos bem tristes de ver que um lugar com tantos anos de luta pode vir por água abaixo, então esperamos que haja mais apoio, não só financeiro mas também de trabalho e que a sociedade tenha essa sensibilidade de ajudar”, conclui.

Os interessados em conhecer a Semear podem ir até a sede, que fica na rua Brigadeiro José Ferreira, nº 428, no bairro Canto do Forte. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3034-2719 ou pelas páginas do Facebook e Instagram @Semearecrescer.

SOBRE – O TEA é um distúrbio que aparece nos três primeiros anos de vida e compromete as habilidades de comunicação e interação social. De acordo com relatório divulgado ano passado pelo Centro de Controle de Doenças (CDC), órgão ligado ao Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, uma de cada 59 crianças americanas tem autismo. A estimativa é que haja 2 milhões no Brasil.

24/10/2019

Texto: Larissa França
Foto: Arquivo Pessoal

 

 

Ecovias

ecovias