Especial
Comusa aprova verba para melhorias no Irmã Dulce

Repasse é de R$ 8,5 milhões refere-se a primeira parte de repasse de R$ 14 milhões divulgado em março

Para levar melhorias e reformas ao Complexo Hospitalar Irmã Dulce, foi aprovado o repasse de cerca de R$ 8,5 milhões ao equipamento público. A autorização foi concedida pelo Conselho Municipal de Saúde (Comusa), por meio de duas resoluções aprovadas em reunião realizada na quarta-feira, dia 24, na Casa dos Conselhos.

Os recursos são de emenda parlamentar de R$ 5.915.670,02 (Prefeitura não informou quem fez a destinação) e o restante é oriundo de verba municipal.

Esta é apenas a primeira parte do dinheiro que foi destinado ao hospital. Em 13 de março o Executivo havia divulgado o investimento de R$ 30 milhões na Saúde Pública, que deste total R$ 14 milhões seriam reservados à manutenção e a compra de produtos ao Irmã Dulce. Espera-se que na próxima reunião do Comusa, que será em 29 de maio, seja pautada a aprovação da segunda parte do repasse (cerca de R$ 5,5 milhões).

De acordo com a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), entidade que gere o Hospital desde janeiro, o dinheiro será destinado às áreas de infraestrutura, equipamentos mobiliários e de tecnologia do hospital, que inclui aparelhos de ar-condicionado, equipamentos cirúrgicos, de raio X e ampliação do número de leitos.

A gestora disse que já encontra-se em andamento o processo de aquisição de diversos itens e o prazo para tais reparos e a instalação de aparelhos é variável, pois depende de questões como fabricação, entrega e instalação dos mesmos.

De acordo com o subsecretário de Planejamento em Saúde, Rodrigo França, o documento prevê também investimentos nos setores de Especialidades Médicas e Atendimento Hospitalar. “A aprovação dos investimentos com a participação social foi uma etapa fundamental para continuidade da implantação desses equipamentos dentro do Complexo Hospitalar. O valor é um esforço da Administração Municipal em captar recursos financeiros do governo federal”, comentou.

O Executivo disse que depois dessa aprovação do Conselho, haverá o parecer de instâncias de monitoramento e controle; e após isso, o valor será submetido as cautelas legais de assinatura, registro e publicidade, com expectativa de ser repassado em maio. Não houve a divulgação de uma data exata para a instalação dos equipamentos, mas informaram que os itens serão colocados assim que os processos de aquisição, em obediências à legislação vigente, forem finalizados.

A instalação será coordenada pela SPDM, sem prejuízo do monitoramento do Executivo e demais instâncias de controle internas e externas.


CAUSAS –
Os valores foram repassados após a Administração Municipal receber reclamações de moradores quanto à falta de funcionamento dos equipamentos de climatização em fevereiro. Os aparelhos geraram problemas na refrigeração do Centro Cirúrgico e da UTI Pediátrica, com temperaturas que chegaram a 30ºC. O fato levou à suspensão das cirurgias eletivas na unidade e de novas internações na UTI Pediátrica, sendo liberadas em 21 de março pela Vigilância Sanitária do Município, após a manutenção dos aparelhos de ar condicionado ser feita.

A SPDM não informou como está a situação atualmente ou se foi preciso suspender atendimentos desde a liberação da Vigilância Sanitária. A instituição disse que a empresa responsável pela manutenção segue trabalhando nos demais reparos, porém, conforme relatado pela direção da unidade ao Executivo, tais equipamentos possuem sérios problemas de conservação e demandam um maior tempo para realização do conserto geral.

29/04/2019

Foto: Arquivo

 
A cada 3 horas e 40 minutos uma pessoa morre por acidente de trabalho

Atendimento hospitalar registra o maior número de casos no Brasil

O Brasil registra uma morte por acidente de trabalho a cada 3 horas e 40 minutos. Segundo o Observatório Digital de Segurança e Saúde do Trabalho, entre 2012 de 2018 foram contabilizados 17.200 falecimentos em razão de algum incidente ou doença relacionados à atividade laboral. Neste domingo, é comemorado o Dia Mundial e Nacional de Memória às Vítimas de Acidentes e Doenças de Trabalho, uma data criada para alertar a sociedade sobre o problema.

No comparativo por anos, houve queda nos registros, com 2.659 casos em 2014; 2.388 em 2015; 2.156 em 2016; 1.992 em 2017; e 2.022 em 2018. Já os acidentes de trabalho são mais frequentes e ocorrem a cada 49 segundos. No mesmo período, foram registrados 4,7 milhões incidentes deste tipo, conforme o Observatório.

Os tipos de lesão mais comuns foram corte e laceração, com 734 mil casos (21%). Em seguida, vêm fraturas, com 610 mil casos (17,5%), contusão e esmagamento, com 547 mil (15,7%), distorção e tensão, com 321 mil (9,2%) e lesão imediata, com 285 mil (8,16%). As áreas mais atingidas foram os dedos (833 mil incidentes), pés (273 mil), mãos (254 mil), joelho (180 mil), partes múltiplas (152 mil) e articulação do tornozelo (135 mil).

As áreas com maior incidência de acidentes de trabalho foram atendimento hospitalar (378 mil), comércio varejista, especialmente supermercados (142 mil), administração pública (119 mil), construção de edifícios (106 mil), transporte de cargas (100 mil) e correio (90 mil). Já no ranking por ocupação, as ocorrências mais frequentes foram as de alimentador de linha de produção (192 mil), técnico de enfermagem (174 mil), faxineiro (109 mil), servente de obras (97 mil) e motorista de caminhão (84 mil).

Entre os homens, os acidentes foram mais frequentes na faixa etária dos 18 aos 24 anos. Já entre as mulheres, no grupo de 30 a 34 anos.

Na distribuição geográfica, os estados com maior ocorrência destes incidentes foram São Paulo (1,3 milhão), Minas Gerais (353 mil), Rio Grande do Sul (278 mil), Rio de Janeiro (271 mil), Paraná (269 mil) e Santa Catarina (185 mil).

Para além dos impactos principais e graves dos danos à vida e à integridade de trabalhadores, os acidentes de trabalho também trazem outras consequências. No período monitorado pelo Observatório, 351 milhões de dias de trabalho foram “perdidos” em razão dos afastamentos. Os gastos estimados neste mesmo intervalo chegaram a mais de R$ 82 bilhões.

Na avaliação do coordenador nacional de Defesa do Meio Ambiente do Trabalho, do Ministério Público do Trabalho, Leonardo Mendonça, o Brasil ainda tem muito o que avançar. Mendonça diz que, a despeito do discurso das empresas considerar a importância da segurança nos locais de trabalho, a preocupação com a produção ainda vem em primeiro lugar.

O procurador argumenta que empregadores devem investir tanto em prevenção como no fornecimento de materiais de segurança. “O ideal é ter um ambiente de trabalho organizado não apenas no sentido de um local limpo, mas saudável, que não seja propenso a adoecimentos”, disse.

Segundo o procurador, a construção desse ambiente para evitar acidentes e adoecimentos envolve uma preparação do conjunto das empresas, inclusive a formação de seus funcionários e pessoas em postos de chefia. “É preciso fazer capacitações com todos os setores da empresa. Desde o topo até o funcionário de chão de fábrica para que tenha carimbo de que realmente ela se preocupa com saúde”, argumenta.

Em abril, foi lançada a Campanha de Prevenção a Acidentes de Trabalho (Canpat 2019), uma iniciativa conjunta do governo federal, Ministério Público do Trabalho e entidades patronais e de empregadores. O objetivo da iniciativa foi alertar para o problema e estimular empregadores e trabalhadores a construírem ambientes mais saudáveis.

 
Privatização do Porto de Santos será debatida no segundo semestre

Tema foi discutido em audiência com o Presidente Jair Bolsonaro e o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, em Brasília

Leia mais...
 
Prêmio da Mega-Sena vai a R$ 105 milhões

Nenhuma aposta acertou as seis dezenas do prêmio principal do Concurso 2.145 da Mega-Sena. O sorteio foi realizado na quarta-feira, dia 24, em São Paulo.

Leia mais...
 
Moradores de PG podem enviar propostas para Lei Orçamentária de 2020

Na audiência pública, munícipes puderam tirar suas dúvidas sobre a LDO

Os moradores de Praia Grande podem colaborar com sugestões e propostas para o orçamento do próximo ano online. A Prefeitura disponibilizou um formulário de consulta pública para a elaboração do projeto da Lei Orçamentária Anual (LOA 2020). O período para participação popular vai até 10 de julho.

Para participar, basta acessar o site da Prefeitura e clicar em “consulta pública online”, ou ir direto para o link (www.praiagrande.sp.gov.br/loa). Ao carregar, é possível ter uma breve explicação sobre a Lei Orçamentária Anual (LOA), depois basta clicar em “Como participar” e o site abrirá uma guia com um pequeno formulário para que o munícipe envie sua sugestão. Basta preencher os campos com seus dados pessoais, descrever a proposta e clicar em “enviar”.

De acordo com o secretário adjunto de Planejamento e Controle Orçamentário, Cristiano Mola, a ideia desta Administração é estimular cada vez mais a participação popular no processo de elaboração do orçamento público, proporcionando conhecimento e oportunidade à sociedade, que conhece bem as demandas da Cidade. “O canal permanecera no ar por mais de 90 dias, superando o período dos anos anteriores e a divulgação também será intensificada através das redes sociais e outros meios de comunicação.”

Cada proposta deve ser relacionada a uma área específica. Este ano, munícipes podem dar sugestões de investimentos em até 18 áreas da Administração: Educação, Saúde, Assistência Social, Segurança Pública, Transporte, Trânsito, Urbanismo, Infraestrutura, Serviços Urbanos, Cultura e Turismo, Juventude, Esporte e Lazer, Habitação, Meio Ambiente, Gestão e Finanças Públicas, Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Ciência e Tecnologia e Previdência.

LDO - Aproximadamente 150 pessoas prestigiaram a audiência pública de elaboração da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2020 na noite de quarta-feira, dia 10, no Auditório Jornalista Roberto Marinho, no Mirim. A LDO descreve a previsão de arrecadação para o próximo triênio e fornece as diretrizes que nortearão a elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA).

Na audiência, a subsecretária de Planejamento e Controle Orçamentário, Regina Fermino, falou sobre os conceitos, funções e o funcionamento na prática da Lei. “A LDO é o elo entre o Plano Plurianual (PPA) e a Lei Orçamentária. A principal função é indicar as ações governamentais previstas no PPA que terão prioridades no orçamento”, mencionou. Ela destacou ainda que a lei é composta por metas fiscais, riscos fiscais e prioridades. Para a elaboração do projeto da LDO 2020 é necessário o cumprimento dos requisitos: previsão da receita para os anos 2020 a 2022, análise de possível renúncia de receita, levantamento dos projetos em andamento, revisão de metas estabelecidas no Plano Plurianual vigente e participação popular.
Entre os munícipes que apresentaram questionamentos estava o professor de Operações Financeiras do curso de Contabilidade da Etec Praia Grande, Gabriel Jesus, que fez questão de trazer seus alunos para a audiência. “É fundamental inserir os jovens no universo da Administração Pública. Esse foi o primeiro contato desses estudantes com o assunto e a maioria demonstrou interesse em entender mais sobre a elaboração do orçamento municipal”.

Participaram do evento mais de 70 alunos do curso de Contabilidade da Etec.

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

Ecovias

ecovias