Especial
Pesquisa diz que 97% das mulheres sofrem assédio no transporte coletivo

Estudo diz 46% das entrevistadas não se sentem confiantes para usar as opções coletivas de mobilidade urbana sem sofrer assédio sexual

Leia mais...
 
Estudo mostra nível de autoaceitação dos jovens

Dentre as alternativas, perder peso foi o que os jovens mais mudariam no corpo, sendo apontada por 39,04% dos entrevistados

Estar bem consigo mesmo não é fácil, principalmente na época da adolescência, momento em que muitas vezes as pessoas não sabem lidar com os padrões de estética e de comportamento que são ditados. Isso faz com que muitos jovens fiquem insatisfeitos e tenham vontade de mudar o corpo.  

Pesquisa realizada pelo Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube) comprova isso ao mostrar que quase metade dos jovens entrevistados entre 15 e 28 anos desejam mudar alguma de suas características. Dentre elas a que está mais em alta é a perda de peso, apontada por 39,04% das pessoas ou 1.094 entrevistados.

Para a analista de treinamento do Nube, Jéssica Alves, isso acontece pois quem não atinge o modelo físico “ideal” acaba pressionado a fazer dieta, com o falso discurso da preocupação com a saúde. “É claro, ter uma alimentação equilibrada e incorporar a prática de atividades físicas no dia a dia são ações primordiais, no entanto, sobrepeso não necessariamente é indicativo de falta de vitalidade”, explica.

A analista acredita que quem estimula a gordofobia deve repensar a prática, pois gera sentimentos horríveis em quem ataca. “Já quem sofre com a situação, tem de acolher seu corpo, dialogar com entes e colegas dispostos a ouvir e excluir os comentários negativos”, enfatiza.

O levantamento. feito no último mês. trouxe em segundo lugar a opção de mudança nos dentes, citada por 18,24%. Na sequência, 16,20% disseram que mudariam a idade. Esse tipo de insatisfação é uma constante conforme a especialista. “Quando jovem, deseja-se a maturidade e sabedoria dos mais velhos e quanto mais experiente, maiores são os anseios em torno do vigor da mocidade. A ideia prevalece por não existir uma faixa etária perfeita, mas sim o que fazemos em cada uma delas, assim, para lidar com a situação é preciso conscientizar-se de cada etapa ter suas vantagens e desvantagens pois viver é um movimento constante de aprendizado e de evolução”, comentou Jéssica.

Já para 15,45% a transformação ocorreria na altura. Há também quem seria mais incisivo e mudaria seu rosto, escolha feita por 8,74% dos votantes. E por fim, 2,32% trocariam de gênero, decisão que segundo Jéssica por ser significativa e possibilitar à pessoa uma vida autêntica.

A especialista disse que trabalhar a autoaceitação é importante e significa entender suas qualidades e defeitos, ou seja, se conhecer. “Vale para todos se incentivarem a alcançarem objetivos e eliminarem comparações, pois somos únicos e não devemos seguir padrões. Então, o conselho é se escutar mais, identificar os gostos e não ir em busca, necessariamente, daquilo ditado como correto. Afinal, ninguém é perfeito. Logo, abraçar as imperfeições e ser a sua melhor versão, com autorrespeito e responsabilidade é o caminho mais adequado”, concluiu.

Ao todo, 2.802 jovens deram entrevista ao Nube.

24/06/2019

 
Vacinação preventiva contra febre amarela é intensificada em PG

Intensificação da vacina contra doença acontece até 12 de julho, em todas Usafas

Leia mais...
 
Prefeitura de PG nega prorrogação para assinatura de contrato dos quiosques e abrirá novo edital em julho

Demolição dos quiosques foi concluída em julho do ano passado

Leia mais...
 
Hemonúcleo reforça carência de sangue durante o inverno

Unidade pede doações de todos os tipos sanguíneos, especialmente do grupo RH Negativo e B+

Leia mais...
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

Ecovias

ecovias